Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘eleições’

(fonte: Calcinhas na Rede)

Marina Silva tem uma história de vida surpreendente. Aos 16 anos, o tratamento para malária (na verdade ela tinha hepatite) destruiu seu fígado. Desenganada pela primeira vez, reagiu “não morro de jeito nenhum!” Repetiu esta frase em outras três ocasiões, quando as consequências dos tratamentos errados e as doenças verdadeiras, algumas resultado da pobreza da infância, continuaram a assombrá-la. Mas tem vencido sempre. E vem revertendo as adversidades em seu favor. A doença obrigou-a a sair da pequena cidade em busca de tratamento. Durante este, finalmente teve oportunidade de estudar e ser alfabetizada. Recentemente desgastou-se no Governo ao ser atacada por agressores e  defensores da natureza. Saiu do Ministério do Meio Ambiente. Volta à cena ao se desligar do PT e possivelmente ser candidata à Presidência da República. Mereceu a capa de todas as grandes revistas e jornais. Modificou instantaneamente o cenário político que parecia polarizado entre situação e oposição.

marina silvaDo trabalho nos seringais, no meio da floresta, ao trabalho de empregada doméstica, na cidade. Tornou-se aspirante à freira. Depois professora de história. O coração batia forte pela vontade de ajudar os povos da floresta, o que a levou a uma carreira política acelerada, de Deputada Estadual à Senadora. Realmente a vida de Marina Silva é quase inacreditável. Mas tem uma explicação simples: a vontade desta mulher de fazer o seu próprio destino.

Read Full Post »

Em 4 de junho de 2009, postamos um texto em que fizemos menção a um artigo publicado na revista Newsweek, de maio de 2009, que tratava da possibilidade de fraudes no sistema de votação eletrônica. Um visitante atento, do blog “Fraude Urnas Eletrônicas” , percebeu que o artigo linkado e resumido era de 2006. Para compensar o engano, estamos postando novamente, desta vez com a tradução integral do texto correto:

Por Evgeny Morozov

Quando a Irlanda embarcou em um ambicioso programa de e-voto em 2006, afirmou que iria dispensar a “velha caneta estúpida”. Como o então primeiro ministro Bertie Ahern disse, em favor da fantástica máquina de votos touchscreen, parecia que a nação estava abraçando seu futuro tecnológico . Três anos e € 51 milhões mais tarde, em abril, o governo desmantelou toda a iniciativa. Custos elevados eram uma preocupação, pois o projeto consumiria outros € 28 milhões. Mas a verdadeira razão é a falta de confiança: os eleitores simplesmente não gostam que as máquinas efetuem os seus votos como simples registro eletrônico, sem quaisquer registros tangíveis.

Não tem que haver uma conspiração ou um Luddite teórico para entender a falibilidade das máquinas de voto electrônico.  Como a maioria dos usuários de PC agora sabemos, os computadores têm bugs, e podem ser crackeados. Aceitamos este risco de segurança nas operações bancárias, compras e e-mails, mas a urna deve ser perfeitamente selada. Pelo menos é o que eleitores europeus parecem estar dizendo, ao rejeitar a adoção de máquinas electrônicas  que não cumpram esta norma.

A reação contra o voto eletrônico acontece em todo o continente. Depois de quase dois anos de deliberações, o Supremo Tribunal da Alemanha decidiu, em Março, que o e-voto era inconstitucional, porque o cidadão médio não está preparado para entender as etapas exatas envolvidas na gravação e contagem de votos. Joachim Ulrich Wiesner e seu filho, um físico, apresentaram a primeira ação judicial e têm sido fundamentais para a sensibilização do público para a insegurança do voto eletrônico. Em uma entrevista à revista alemã Der Spiegel, o jovem Wiesner disse, com alguma razão, que as máquinas holandeses NEDAP utilizadas na Alemanha são ainda menos seguras do que os telefones móveis. O grupo holandês de interesse público Wij Vertrouwen Stemcomputers Niet (We Don’t Trust Voting Machines) produziu um vídeo mostrando quão rapidamente as máquinas NEDAP poderiam ser crackeadas, sem eleitores ou funcionários eleitorais estarem conscientes (a resposta: cinco minutos). Depois que o clipe foi transmitido na televisão nacional, em Outubro de 2006, os Países Baixos proibiram todas as máquinas de votação electrônica.

Numerosos casos de inconscistências no sistema eletrônico de votação têm sido apontados nos países em desenvolvimento, onde os governos são muitas vezes demasiadamente ansiosos para manipular votos, o que aumenta a controvérsia. Após Hugo Chávez ganhar as eleições de 2004 na Venezuela, foi revelado que o governo era dono de 28 por cento da Bizta, a empresa que fabrica máquinas de votação. Do mesmo modo, as eleições de 2004 na Índia ficaram notórios por gangues que fraudaram as urnas eletrônicas nas aldeias.

Porque as máquinas são tão vulneráveis? Cada etapa do ciclo de vida de um voto eletrônico, a partir do momento em que é desenvolvido e instalado o sistema, quando os votos são registrados e os dados transferidos para um repositório central para contagem, envolve diferentes pessoas, que têm acesso às máquinas, muitas vezes para instalar um novo software. Não seria difícil para que, digamos, numa eleição oficial, fosse plantado um programa “Trojan”  em uma ou várias máquinas de votação, que permitissem assegurar um resultado ou outro, antes mesmo de os eleitores chegaram às urnas. Seria muito fácil comprometer a privacidade dos eleitores e identificar quem votou a favor de quem.

Uma forma de reduzir o risco de fraude é ter máquinas de imprimir um comprovante de cada votação, que poderia então ser depositado em uma urna convencional. Embora esse procedimento assegurasse que cada voto pode ser verificado, a utilização de papel frustra a finalidade do voto electrônico, em primeiro lugar. Usar duas máquinas produzidas por diferentes fabricantes diminuiria o risco de comprometer a segurança, mas não o eliminaria.

A melhor maneira é expor o software por trás das máquinas de voto eletrônico ao escrutínio público. A raiz do problema das máquinas de voto eletrônico é que o computador executa programas dotados de segredos comerciais. (Não ajuda que muitas vezes o software seja executado no sistema operacional Microsoft Windows, que não é o mais seguro do mundo.) Sendo os softwares atentamente examinados e testados pelos peritos não filiados às empresas, seria mais fácil fechar lacunas técnicas que hackers podem explorar. Experiência com servidores Web têm mostrado que a abertura do software ao escrutínio público pode revelar potenciais falhas de segurança.

A indústria de voto electrônico argumenta que a abertura iria ferir a posição competitiva dos atuais líderes de mercado. Um relatório divulgado pelo Conselho de Tecnologia Eleitoral dos Estados Unidos, uma associação comercial, disse em abril que a divulgação de informações sobre vulnerabilidades conhecidas podem ajudar mais os fraudadores do que aqueles que defendem contra esses ataques. Alguns cientistas têm proposto que os códigos do computador devem ser divulgados apenas para um grupo limitado de especialistas certificados. Fazer essa divulgação obrigatória para todas as máquinas de voto eletrônico seria um bom primeiro passo para a administração Obama, coerente com o seu discurso de abertura no governo.

É melhor ter pressa, porém, antes que uma onda de populismo mate o voto eletrônico. Os governos estaduais e locais nos Estados Unidos, bem como os governos europeus, estão ficando cada vez mais impacientes com e-voto.  O Condado de Riverside, na Califórnia está cogitando pedir para os eleitores escolherem entre as cédulas de votação eletrônica e de papel em um referendo.  No momento, há muito de desejável nisso.

(o texto original em inglês pode ser acessado aqui)

Read Full Post »