Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘violência contra a mulher’

Três culturas e a (quase) mesma violência contra as mulheres:

Alcorão (cultura islâmica)

“24ª SURATA

2 Quanto à adúltera e ao adúltero (aqui a regra vale para ambos os sexos), vergastai-os com cem vergastadas, cada um; que a vossa compaixão não vos demova de cumprir a lei de Deus, se realmente credes em Deus e no Dia do Juízo Final. Que uma parte dos fiéis testemunhe o castigo.”

Velho Testamento (cultura judaico-cristã)

“Levítico 21

7 Não tomarão mulher prostituta ou desonrada, nem tomarão mulher repudiada de seu marido; pois santo é a seu Deus.

9 E quando a filha de um sacerdote começar a prostituir-se, profana a seu pai; com fogo será queimada.”

Manusrti – Código de Manu (cultura hindu)

“Art. 368 – Se uma mulher, orgulhosa de sua família e de suas qualidades, é infiel ao seu esposo, que o rei a faça devorar por cães em um lugar bastante frequentado.”

Mas em relação ao homem que for a razão da infidelidade, a pena não é de morte:

“Art. 349 – que o rei bane, depois de havê-los punidos com mutilações infamantes, aqueles que se aprazem em seduzir as mulheres dos outros.”

Não queremos favorecer nenhuma religião, mas é até irônico ver que no Alcorão a maioria absoluta das regras de comportamento vale igualmente para homens e mulheres. Uma das exceções é o uso de véu.

Até há poucos anos atrás, muitos homens que assassinaram suas mulheres por adultério foram absolvidos sob a alegação de “legítima defesa da honra”, apesar disso não estar em nenhuma lei. O adultério (de homens e mulheres) era criminalizado, mas deixou de ser em 2005.

A tese de “legítima defesa da honra” foi criada pelo advogado Evandro Lins e Silva, no julgamento de Doca Street pelo assassinato de Ângela Diniz. Recentemente o assassino escreveu um livro em que pede perdão à Ângela Diniz. O trecho em que o assassino conta sua versão pode ser lida aqui. A versão de Ângela nunca poderá ser contada, a não ser pelos diversos tiros que ela recebeu em seu corpo, aos 32 anos. O fato de alguém lucrar com as memórias de um crime que cometeu, ainda mais um assassinato, sempre causa repulsa.

O advogado Evandro Lins e Silva, na defesa de seu cliente, vasculhou o passado de Ângela e a classificou em termos como ” prostituta da Babilônia” e “vênus lasciva”.

No livro, o próprio assassino lembra uma frase dita por Carlos Drummond de Andrade: “Aquela moça continua sendo assassinada todos os dias e de diferentes maneiras”.

Anúncios

Read Full Post »

logo3

Dado, cumpra a Lei Maria da Penha

(postado no blog Viva Mulher)
Uma pesquisa recente do Ibope/Themis indica que 68% das brasileiras já conhecem a Lei Maria da Penha, considerada um avanço no combate à violência contra a mulher. Mesmo assim, de acordo com a enquete, 42% das vítimas de ataques ou hostilidades não costumam procurar apoio.
No ano passado, um episódio envolvendo os globais Dado Dolabella e Luana Piovani terminou com o ator indiciado por agressão dentro dos parâmetros da Lei Maria da Penha. Recentemente ele foi preso por descumprir determinação judicial que o obrigava a não se aproximar de Piovani, sua ex-namorada.
“A Lei Maria da Penha é muito dura e precisa ser respeitada, não é brincadeira. Se ele chegou em um lugar onde a Luana estava, ele deveria ter saído do local”, afirmou a delegada Inamara Costa, responsável por deter Dolabella.
Há, porém, quem discorde e ainda por cima insista em palpitar publicamente sobre o caso: “Vamos supor que o Dado esteja mastigando um delicioso atum no Sushi Leblon e, repentinamente, entra a Luana. O que deve ele fazer? Fugir dali, correndo, sem pagar a conta? Ou ainda ir para debaixo da mesa, chamar o garçom, explicar a situação, cobrir o rosto com um guardanapo e sair de fininho?”, disse o vice-presidente de operações da Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em seu blog.
Sim, meu caro, é exatamente isso: ele deve deixar o local imediatamente. A acusação contra Dolabella é apenas uma das centenas ou milhares que se enquadram na Lei Maria da Penha. Se nem ele, que é vigiado 24 horas por dia por paparazzis, respeita a nova legislação, por que os demais o fariam?
Ao dizer isso não acho que Dolabella tenha que ser um mártir ou a única prova concreta do engajamento do Brasil no combate à violência contra a mulher. Mas ele tampouco pode ser um exemplo negativo. Qualquer um que cometeu uma agressão, tem que responder por isso. Simples assim.
E se a legislação endureceu, é porque as leis anteriores não foram suficientes para evitar mortes, mutilações, estrupros e todo o tipo de agressões. Não é à toa que homenagearam a farmacêutica Maria da Penha: em 1983, o marido dela, um professor universitário, tentou assassiná-la por duas vezes. Na primeira com arma de fogo, deixando-a paraplégica, e na segunda por choques elétricos e afogamento. Contudo, ele só foi punido depois de 19 anos de julgamento e ficou apenas dois anos cumprindo pena em regime fechado.
Escrito por Maíra Kubík Mano às 11h01

Read Full Post »

sexista-3

“É legal ter uma garota pela casa.”

cartaz-sexista-2

CASOU? Não há razão para negligenciar as meias!

cartaz-sexista

“É sempre ilegal matar uma mulher?”

As propagandas acima nos fazem refletir sobre o quão recente é a conquista de direitos pelas mulheres. Os cartazes parecem estar situados num contexto há muito superado. Mas, infelizmente, a violência contra a mulher continua existindo. A publicidade, como forma de retratar e perpetuar a cultura, seja nos seus aspectos positivos, seja nos negativos, tem uma parcela de responsabilidade. Ela deve ser ética tanto ao não reproduzir e reforçar esta violência, mas também ao cuidar para que a igualdade e o respeito à dignidade da mulher estejam presentes nas suas mensagens. Pode ser um pensamento ingênuo, mas acreditamos que é possível ser ético na publicidade. Porém, a sociedade precisa exigir isso.

Um dos caminhos é denunciar ao CONAR quando for veiculada publicidade que desrespeita as mulheres, pois é missão institucional desta entidade, justamente, preservar a ética, como se vê no seu estatuto:

Artigo 19 – Toda atividade publicitária deve caracterizar-se pelo respeito à dignidade da pessoa humana, à intimidade, ao interesse social, às instituições e símbolos nacionais, às autoridades constituídas e ao núcleo familiar.
Artigo 20
– Nenhum anúncio deve favorecer ou estimular qualquer espécie de ofensa ou discriminação racial, social, política, religiosa ou de nacionalidade.

Contudo, propagandas de bebida, principalmente de cerveja, ainda tem conteúdo sexista, tratando as mulheres como objetos, mas são toleradas:

cervejas-e-mulheres

fonte: Maria Maria – Mulheres em Movimento

Mas não é de hoje que se associa mulheres à cerveja:

cerveja-e-mulher-2

fonte: Extra online

Não sabemos qual a relação entre cerveja e mulheres. Mas temos certeza de que há uma estreita relação entre o consumo de bebidas alcólicas e a violência praticada contra as mulheres.

Além do CONAR, abusos praticados por meio de publicidade podem ser denunciados ao Ministério Público. Se a propaganda for veiculada nacionalmente, a denúncia pode ser dirigida ao Ministério Público Federal.

Ver também “Pelo fim da violência contra as mulheres“, “A luta das mulheres pela igualdade de direitos” e “Publicidade politicamente incorretíssima

Read Full Post »